Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Vida com Deus’

Cadernos

Quando eu era adolescente, tinha vários cadernos, cadernetas e fichários de coleções: enquete, músicas para serenata, receitas, poesia, corinhos, trabalhos manuais, desenhos, etc, etc, etc… – É, a vida sem computadores não era fácil, mas divertida, rs.

No meio de toda a papelada, eu tinha também uma caderneta onde anotava as frases “famosas” e interessantes que lia ou ouvia por aí… Uma dessas frases dizia que a vida do cristão é como uma vela, que ilumina à medida que se consome. Me lembro que na época achei a frase exagerada e depressiva, mas anotei. Hoje eu sei que isso é real. Se deixar gastar e desgastar por amor a Cristo é o sentido da vida do cristão.

Hoje, rumo aos 50 anos de idade (uhulll), sigo com a alma cheia de cicatrizes que vieram ao longo da caminhada. Algumas por imprudência minha mesma (talvez a maioria, rs), outras como fruto das lutas e guerras travadas no dia a dia, e outras surgiram pelo simples fato de eu estar cercada por seres humanos…

Aprendi que, enquanto eu viver, outras feridas virão e precisarão ser igualmente tratadas e curadas.

Confesso que todos os dias eu penso em desistir, aposentar, “mudar de ramo” rs, mas imediatamente me lembro que não tenho esse direito. O “Dono da vela” fez muito mais por mim, e me separou para este trabalho. Por isso, enquanto o meu pavio durar, quero melhorar, quero amadurecer, e quero continuar sendo consumida por esta chama que ao mesmo tempo me sustenta. Até chegar o dia em que Deus limpará de meus olhos toda a lágrima, e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, porque já as primeiras coisas terão passado (Apoc. 21:4).

*

Imagem 017

Post by Márcia Rezende no dia do seu aniversário de 49 anos. Márcia tem dois filhos (também já casados) e exerce o ministério pastoral juntamente com seu esposo na 3ª Igreja Batista de Marília. Ela trabalha integralmente na obra de Deus desde os 12 anos de idade e ama ver o pôr do sol.

*

*   *   *

Leia também:

 ____________________________________________________

Read Full Post »

!cid_74D81DD064B147A68F83C246318E6D1A@usuario6fcb3eb

Soberania de Deus e Livre Arbítrio do homem são duas doutrinas bastante debatidas no campo teológico. De um lado há os que negam o livre arbítrio do homem, afirmando que tudo o que acontece é o resultado da operação da vontade absoluta de Deus. E do outro lado há os que negam a soberania divina (Teísmo aberto), afirmando que Deus criou todas as coisas, e delegou ao homem a escolha de seu próprio destino. Entre uns e outros, há também os que acreditam que uma coisa não anula a outra, e que o fato do homem fazer suas escolhas não impede a soberania divina. Vamos começar então, compreendendo melhor estes dois conceitos:

Soberania é um dos atributos de Deus, e significa que Ele tem controle e domínio absoluto sobre tudo e sobre todos. Sua vontade é perfeita e nada pode se opor a ela:

Jó 42.2 – Bem sei que tudo podes e nenhum dos teus planos pode ser frustrado.

Is 14.27 – Porque o Senhor dos Exércitos o determinou; quem pois, o invalidará? A sua mão está estendida; quem pois o fará voltar atrás?

Sl 115.3 – No céu está o nosso Deus e tudo faz como lhe agrada.

E livre arbítrio é o mesmo que liberdade de escolha. É a capacidade humana para decidir, por si só, fazer sua própria vontade ou ceder à vontade de Deus. Não encontramos este termo explicitado na Bíblia, mas vários versículos demonstram este fato:

Js 24:15 – Se, porém, não agrada a vocês servir ao Senhor, escolham hoje a quem irão servir…

Mt 23:37 – Jerusalém, Jerusalém… Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo de suas asas, e vós não quisestes!

Mt 16:24 – Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.

Afinal, Deus executa sua soberana vontade independente da nossa ou nos dá o livre arbítrio para fazermos nossas próprias escolhas?

Antes de qualquer coisa, precisamos nos lembrar que nossa mente é limitada e nunca conseguiremos compreender plenamente alguns conceitos no âmbito espiritual. Para nós, o fato de Deus fazer com que sua vontade sempre se cumpra, exclui a possibilidade da nossa liberdade de escolha. Mas ambas as coisas coexistem perfeitamente, mesmo que não consigamos compreender plenamente como isso acontece.

O fato é que Deus, muitas vezes, abre mão de sua vontade para permitir que a nossa vontade seja feita. Isso não tira dele sua soberania ou controle sobre tudo, pois Ele o faz voluntariamente, com um propósito.

Precisamos entender também que Deus não age sempre da mesma maneira com todos os seus filhos, em todas as circunstâncias. Somos limitados ao espaço e ao tempo, mas Deus não. Portanto, a visão Dele sobre todas as coisas é infinitamente mais ampla que a nossa. Sua vontade e suas ações são baseadas nesta onisciência.

Um exemplo: Se a vontade de Deus é que eu compre uma bicicleta (lembre-se, é só um exemplo rs), eu posso simplesmente decidir não comprar, e Deus pode permitir que assim aconteça. Talvez Ele permita minha desobediência porque sabe que através do meu erro, vou amadurecer e me aproximar mais Dele. Talvez a minha desobediência não vá contribuir para a minha vida, mas pode edificar a vida de outra pessoa. Por isso, Ele abre mão de sua vontade perfeita original e permite que a minha vontade seja feita. Por outro lado, se for realmente muito importante, para mim ou para outras pessoas, que eu compre uma bicicleta, Deus pode fazer com que isso aconteça, de uma forma ou de outra. O que eu estou querendo dizer é que não dá para esquadrinhar a mente de Deus e entender a lógica que a move em cada situação. Isto está bem acima das nossas possibilidades. O que nos é importante é saber que, a melhor opção é sempre se render à vontade soberana do Criador, pois Ele nos ama e sabe o que é, de fato, melhor para nós.

Na Bíblia, observe esses três casos de exercício do livre arbítrio do homem que geraram reações diferentes da parte de Deus: (1) Ananias desobedeceu a Deus e foi morto instantaneamente; (2) Jonas desobedeceu a Deus, mas sua vida foi poupada até que ele pudesse se arrepender; e (3) Moisés, que disse a Deus que não queria falar com o Faraó, e Deus permitiu que ele não falasse, transferindo essa tarefa ao seu irmão. Percebam que Deus agiu de maneira bem diferente com cada um desses homens. O que norteou as ações de Deus? Sua soberania e sua sabedoria.

Muitos outros conceitos aparentemente paradoxais são encontrados na Bíblia: fé e obras, predestinação e conversão, graça e frutos, etc, etc, etc… Podemos comparar a Bíblia a um grande quebra-cabeças, cujas peças estão separadas uma das outras. Ao longo da história, muitos têm fundamentado suas doutrinas e crenças em apenas um lado da questão, tiram suas conclusões baseados em algumas poucas peças que se encaixam, pinçam trechos que “defendem” apenas um ponto de vista, gerando assim heresias ou conclusões distorcidas. Alguns temas só podem ser compreendidos se vistos como parte do todo, e não separadamente. Alguns textos parecem ter um determinado significado se lidos só dentro daquele contexto mas, ao vermos a Palavra como um todo, aquele significado simplesmente não se encaixa. Então precisamos ampliar a visão e abrir nosso entendimento sobre a questão.

Voltando à nossa pergunta inicial: Deus é soberano absoluto e, em sua soberana vontade, pode permitir que tenhamos nossas próprias escolhas. Simples assim!

Mas, lembre-se: a vontade de Deus é sempre melhor.

*

*  *  *

Ser Igreja

Márcia Rezende

Bacharel em Teologia e Educação Religiosa

Marília/SP

Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos

mediante citação da fonte e autoria.

*

Leia também:

Read Full Post »

 

Cada dia cresce o número de informações que chegam até nós. Os veículos se multiplicam e são aperfeiçoados a cada momento: Correio, Rádio, Revista, Jornal, TV, Telefone, SMS, Email, Twitter, Mensenger… a lista é interminável!

Com um só click na frente de um computador é possível se ter acesso a centenas e mais centenas de notícias e informações. Mas, como já é sabido: informação não é conhecimento.

No mundo gospel as possibilidades também são vastas: Sites, Blogs, DVDs, Programas Televisivos… púlpitos de todos os gêneros para todos os gostos. Caio’s, André’s, Feliciano’s, Silas’s, Estevam’s, Waldomiro’s… pregadores de todas as linhas teológicas para todos os tipos de “fiéis”.

No meio dessa micelânia “evangélica”, como podemos saber quem está com a razão? Existem verdades absolutas? Qual o referencial desta Verdade?

A resposta é uma só: um livro chamado Bíblia. Ela é a luz do nosso caminho.

Enquanto seguirmos homens, estaremos andando no escuro. Quem já teve a experiência de andar num lugar desconhecido e sem iluminação sabe o quanto é difícil. Nestas condições ficamos suscetíveis o tempo todo a cair num buraco, pisar em sujeira, dar de cara com uma árvore, ou ser mordido por algum animal. Uma fonte de luz no caminho é garantia de que podemos enxergar onde estamos colocando os pés, e assim evitarmos os perigos.

Em nossa jornada espiritual, mais do que templos e púlpitos precisamos de Bíblia. Ela é a revelação do Criador para toda a humanidade. “Lâmpada para os meus pés é a tua Palavra, e luz para o meu caminho” Salmo 119:105.

Pastores, bispos e apóstolos são feitos de carne e osso. E todos igualmente estão sujeitos a cometer erros, falar bobagens, fazer interpretações equivocadas, e até usar seu poder para manipular, controlar, distorcer e tirar proveito da situação. Nestes e em outros casos, o excesso de informação só traz mais desinformação!

Gosto de saber quais as “novas teologias” do momento, as frases de efeito da moda e os discursos dos apologetas midiáticos, mas o meu referencial precisa continuar sendo a Bíblia. Homens, idéias e teologias passam, precisam ser constantemente atualizados. Mas a mensagem bíblica é sempre apropriada para qualquer tempo, pois Deus não muda, e a natureza humana não se altera.

Sejamos sábios. Ao invés de informação, busque conhecimento. Ao invés de opiniões, busque a Palavra da Verdade. Ao invés de seres humanos, busque a revelação divina. Simples assim 🙂 !

Porque a simplicidade do Evangelho nos conduz à essência do Cristianismo: amar a Deus e ao próximo.

*

_________________

Márcia Cristina Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Marília/SP
 
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.

*

*

LEIA TAMBÉM:

*

Read Full Post »