Feeds:
Posts
Comentários

Archive for abril \22\UTC 2016

Escravos

escravo

Deus nos criou livres no Jardim do Éden. Mas nos vendemos a nós mesmos a Satanás. Trocamos a nossa liberdade por um mero pedaço do fruto proibido. E, a partir deste momento, nos tornamos escravos do pecado e, consequentemente, separados da glória do Criador.

Deus então enviou seu Filho Jesus Cristo para nos reconciliar com Ele. Jesus, assumindo a forma de escravo (servo), nos livrou da escravidão; pagou o preço por nós, e nos comprou para o Pai. Assim, fomos libertos da escravidão do pecado, e nos tornamos escravos da justiça. Sim, meu amigo, o homem jamais é totalmente livre. Somos escravos!

Sei que hoje escravidão faz parte dos “politicamente incorretos”, por isso é tão complicado assimilar o fato de que somos escravos, mas veja o que diz a eterna e imutável Palavra de Deus:

Mas, graças a Deus, porque, embora vocês tenham sido escravos do pecado, passaram a obedecer de coração à forma de ensino que lhes foi transmitida. Vocês foram libertados do pecado e tornaram-se escravos da justiça. E agora que vocês foram libertados do pecado e se tornaram escravos de Deus, o fruto que colhem leva à santidade, e o seu fim é a vida eterna. (Romanos 6:16-17, 20)

Sobre os meus servos e as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e eles profetizarão. (Atos 2:18)

Mas não pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor, e a nós como escravos de vocês, por causa de Jesus. (2 Coríntios 4:5)

Acaso busco eu agora a aprovação dos homens ou a de Deus? Ou estou tentando agradar a homens? Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo. (Gálatas 1:10)

 

Aí você me diz: “Mas na minha Bíblia está escrito servo, não escravo!!!!”. Acontece que a palavra grega traduzida como “servo” é “doulos” que significada “atar um laço, prender com cadeias, lançar em cadeias; homem de condição servil, alguém que se rende à vontade de outro; alguém que está permanentemente em servidão, em sujeição a um mestre; escravo.” Entendeu agora? Somos escravos!

Nós nos vendemos barato, mas fomos comprados por bom preço. Perdemos a nossa liberdade, mas fomos comprados por Cristo. Não para a total liberdade novamente, mas comprados para Ele mesmo.

Em seu grande amor, graça e misericórdia, Deus nos adotou como filhos, e nos fez herdeiros do seu Reino. Nosso dono e Senhor é um Deus de graça e misericórdia, e nos convida a “comer da sua mesa”, a beber da sua água, nos trata com amor, nos insere em sua família, nos chama de amigos. MASSSSS… pertencemos a Ele! Somos escravos!

O escravo não tem vontade própria, não tem vida própria, não tem dignidade própria, não tem direitos próprios.

Nossa sociedade abomina este conceito, não só pela cultura hedonista que predomina neste século, mas também pelas terríveis imagens históricas de negros sendo cruelmente torturados nos troncos e senzalas.

Talvez, justamente por essas questões, sempre me intrigou o fato de Deus nunca ter condenado a escravidão na sua Palavra. Ele nunca aprovou os maus tratos nem os abusos a que os senhores submetiam seus escravos, mas também nunca ordenou o fim da escravidão. Hoje entendo que, talvez, a figura do escravo tenha sido tolerada por Deus tendo em vista seu valor didático, prefigurando Cristo, o servo sofredor, e também a cada um de seus seguidores.

Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus: o qual, tendo plenamente a natureza de Deus, não reivindicou o ser igual a Deus, mas, pelo contrário, esvaziou-se a si mesmo, assumindo plenamente a forma de servo e tornando-se semelhante aos seres humanos. Assim, na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, entregando-se à obediência até a morte, e morte de cruz. (Filipenses 2:3-8)

Nosso Mestre Jesus agiu como servo/escravo toda a sua vida, todo o seu ministério. Ele não reivindicou direitos, não deu lugar às fraquezas humanas (cansaço, preguiça, sono, fome…), não fez suas próprias vontades. Ele viveu para servir.

Como cristãos, esta deve ser a nossa conduta: ter um coração de servo. Sim, viver como servos e tudo o que isso implica: nos nossos relacionamentos, nos nossos ministérios, na nossa vida diária.

Foi maltratado por alguém? “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus…”

Foi injustiçado? “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus…”

Está cansado de servir? “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus…”

Ninguém reconhece seu valor? “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus…”

Ficou magoado? “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus…”

Viu um irmão cair? “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus…”

Alguém lhe pediu ajuda? “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus…”

É verdade que às vezes nos cansamos e pensamos em desistir. O caminho é apertado e a porta é estreita, não é fácil dar a outra face, amar os inimigos, crucificar a carne. Mas cada vez que fazemos nossa própria vontade e não a de Deus, cada vez que nos negamos a ser servos, cada vez que agimos movidos por pensamentos do tipo “eu sou crente mas não sou bobo, eu falo mesmo!”, não estamos exercendo nossa liberdade, mas sim fazendo exatamente o que nosso “antigo senhor” gostaria que fizéssemos. Cada vez que nos negamos a ser escravos da justiça, estamos agindo como escravos do pecado. Simples assim!

Então, vivamos com alegria a nossa redenção, escravos, sim, de Cristo, mesmo que isto seja politicamente incorreto.

Para encerrar, compartilho com vocês a história de dois thecos/moravianos, que entenderam o real significado de perder a vida por amor a Cristo:

John Leonard Dober e David Nitschman são nomes que você talvez não reconheça imediatamente. John era artesão e David um carpinteiro. Ambos eram pastores da igreja reformista da Morávia (hoje República Tcheca), a Igreja Moraviana. John e David ouviram sobre uma ilha no Caribe, onde um dono de terras britânico ateu tinha entre 2.000 e 3.000 escravos. Esse dono certa vez disse, “Nenhum pregador ou clérigo pode se estabelecer nesta ilha, se for uma vitima de naufrágio deverá ficar isolado em um quarto separado até que possa partir, porém ele nunca compartilhará nada sobre Deus pra nenhum de nós. Não suporto essa situação”. Imagine 3.000 escravos das selvas africanas levados a uma ilha do Atlântico para viver lá e morrer sem ouvir de Cristo! Dois jovens Morávios ouviram sobre esse fato. Então eles se venderam como escravos para o dono de terras britânico (o dono de terras não pagou nada mais do que pagava para qualquer escravo) e usaram o dinheiro recebido para adquirir as passagens até sua ilha, o proprietário de terras não iria ao menos transportá-los.

Enquanto o navio se afastava do porto na cidade de Hamburgo e se dirigia para o mar do Norte, os Morávios de Hernhoot vieram para ver esses dois rapazes partirem. Eram dois rapazes em seus vinte e poucos anos que partiam para nunca mais voltar, pois não seria um período de apenas quatro anos, eles tinham se vendido como escravos para o resto de suas vidas, para que assim, como escravos, pudessem testemunhar de Cristo para os outros escravos. As famílias choraram, porque sabiam que eles nunca iriam vê-los novamente. Eles se perguntavam sobre a ida deles e questionaram se isso seria algo sábio para se fazer. Enquanto o vácuo entre o navio e o porto aumentava, um dos rapazes, com seu braço unido ao de seu companheiro, gritou as últimas palavras ouvidas pelos familiares e amigos que lá se encontravam:  “Que o cordeiro que foi imolado receba a recompensa de Seu sofrimento!”

*

*    *    *

*

Ser Igreja

*

 

Márcia Cristina Rezende

Bacharel em Educação Religiosa e Teologia

Marília/SP

Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos

mediante citação da fonte e autoria.

*

___________________________________________________

.

Leia também:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Read Full Post »

Crente, porém vazio…

 

azeitedabotija

.

Vez ou outra ouço alguém dizer: “fui na igreja, mas entrei vazio e saí vazio”.

Tal afirmação sempre me deixou intrigada. Claro que cada um sabe o “vaso” que tem. Mas algumas coisas nesta frase precisam ser melhor compreendidas, quando ditas por alguém que já recebeu a mensagem do Evangelho, e já tem um relacionamento com Cristo.

1) Entrar na igreja vazio – Emocionalmente, é normal que nós seres humanos, passemos por crises e nos sintamos “vazios”, desanimados, fracos, depressivos. Mas nossa fé não pode ser baseada no que sentimos ou no que vemos. A Palavra afirma que, quando nascemos de novo, o Espírito Santo de Deus passa a habitar em nós. Então, que história é essa de que estamos vazios??? Temos o Espírito Santo e rios de Águas Vivas fluindo do nosso interior. A sensação de “parecer vazio” não corresponde à verdade. Nossa espiritualidade não se mede por sensações emocionais, arrepios ou coração queimando, mas pelo fruto que o Espírito Santo produz em nós no dia a dia. Precisamos crer em Deus e em Sua Palavra e não em nosso enganoso coração.

2) Entrar na igreja –  Já falamos aqui que esta é uma força de expressão, pois ninguém “entra na igreja”. Somos a Igreja! Mas, deixando de ser chatos, e compreendendo o sentido desta expressão como sendo “ir ao culto num templo”, vemos que aqui também contém equívocos. Para quê vamos à igreja?  Para receber? Ou para se doar? Culto é doação, entrega, adoração, gratidão, louvor…  Claro que eu também peço e suplico, mas o foco é Deus e não eu. Então, precisamos reavaliar nossas expectativas antes de entrar num templo para adorar a Deus. “Recebendo” ou não, sentindo ou não, Deus continua sendo Deus, e o culto continua sendo culto. A igreja local existe principalmente para que eu possa expressar meu amor a Deus e ao próximo. E não para eu abastecer o meu vaso com o “azeite do Espírito”.

3) Sair vazio – “Enchei-vos do Espírito”, nos diz a Palavra. Tal postura é um processo diário a ser vivenciado em nosso cotidiano. Não podemos deixar para nos encher na igreja. Isso não vai funcionar!!!! A pregação do pastor, a música da equipe de louvor, a apresentação do Coral, a oração em grupo, e tudo o mais que acontecer num culto, podem ser instrumentos de edificação pessoal, mas nossa expectativa precisa estar em Deus e tão somente Nele. Então, se buscamos a Deus (em casa, no trabalho ou na igreja) e continuamos nos sentindo “vazios”, das duas uma: ou estamos buscando pouco, ou o próprio Deus não está se deixando ser achado, por algum motivo. Às vezes Deus faz isso mesmo. Ele parece esconder-se (Is 45:15), mas está sempre perto (Sl 139) mesmo que não o sintamos. E isso não é culpa do pastor, do ministro de louvor ou do dirigente do culto. Faz parte do processo didático que Deus aplica em nós.

Igreja reunida em culto e adoração

.

Está se sentindo vazio?

Primeiro: não confie nos seus sentimentos. Deus continua aí, bem pertinho de você.

Segundo: invista em seu relacionamento com Deus no seu dia a dia: ore, leia a Bíblia, medite na Palavra, jejue, passe tempo em silêncio na presença do Pai, e aguarde. No seu devido tempo, a chuva virá. Essa sensação de vazio desaparecerá. E talvez você compreenderá porquê precisou passar por aquele tempo de deserto espiritual.

E, finalmente, “vá à igreja” para adorar a Deus e para repartir com seus irmãos o que Deus tem lhe dado no secreto do seu quarto, em sua intimidade com Ele. “Vá à igreja” para exercer a comunhão, para interceder pelo seu próximo, para contribuir, para se dar. Pois, o próprio Cristo afirmou: “melhor é dar do que receber”. Quando tiramos o foco das nossas necessidades, as entregamos ao Senhor, e olhamos para o amor de Deus e as necessidades do outro, tudo muda, e o vaso que parecia vazio, de repente, transbordará.

.

*

ia_2corintios4_7

.

*     *     *

.

Ser Igreja

Márcia Cristina Rezende

Bacharel em Educação Religiosa e Teologia

Doctor of Ministry – Especialização em Bíblia

Marília/SP

Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos

mediante citação da fonte e autoria.

.

________________________________________________________

.

Leia também:

Read Full Post »