Feeds:
Posts
Comentários

Archive for junho \23\UTC 2010

A polêmica da religião nos estádios de futebol.

Desde meados de 2009, quando o Brasil venceu a Copa das Confederações na África do Sul, a FIFA está de olho na nossa seleção. O motivo? O que ela chama de “manifestações religiosas exageradas”, como orar antes ou depois das partidas e exibir camisetas com mensagens por baixo dos uniformes. Tais manifestações já foram proibidas e são passíveis de punição.

O argumento: as autoridades esportivas não querem transformar os jogos em eventos políticos ou religiosos. O jornalista Juca Kfouri corrobora com esta iniciativa, afirmando que o “merchandising religioso” que alguns jogadores costumam fazer é uma tentativa de “nos enfiar suas crenças goela abaixo” (1)

Incrivelmente ridícula essa preocupação da FIFA e do nosso amigo Juca! Desde quando orar/rezar ou fazer o sinal da cruz em público é praticar propaganda religiosa? Mais ridícula ainda é a idéia de se manter um Estado laico proibindo manifestações religiosas em público. Absurdo isso!!! Não nos parece um tremendo paradoxo coibir manifestações religiosas em defesa da tolerância?! A liberdade religiosa não consiste em trancar cada crença em seu templo, mas em permitir que cada cidadão expresse sua fé livremente, desde que isso não interfira nos direitos alheios.

Mais do que uma religião, o cristianismo é um estilo de vida. E a idéia de confiná-lo dentro dos templos contradiz totalmente sua essência. Seria como pedir a um homem casado que não usasse aliança em público. Ou proibir uma freira de usar o terço. Quem afirma que não se pode misturar religião e futebol, prova sua total ignorância no assunto, ou está apenas tentando disfarçar seus verdadeiros interesses.

Vinícius Duarte, no Blog “Com fel e limão” escreve: “Tenho aqui comigo que isso tem muito mais a ver com marketing do que com discussões religiosas. Cada vez que um atleta despe o manto sagrado da Nike, Adidas, Reebok ou Puma para exibir ao mundo uma mensagem religiosa estampada numa camiseta branca, segundos preciosos de exposição das multinacionais são surrupiados dos “sponsors”, que pagam milhões para exibi-las aos espectadores. Um jogador leva cartão amarelo quando tira a camisa na comemoração do gol (mesmo que não tenha nada por baixo dela) exatamente por isso! (…) Conversa fiada. Se o Vaticano, a Igreja Renascer, a Congregação Islâmica ou o Templo Budista comprarem uma cota de patrocínio da FIFA, os caras liberam tudo. Vale sinal da cruz, rezar ajoelhado na direção de Meca… Business Plan, mister!”

*

(1) Blog do Juca 

(2) Blog “Com fel e limão” 

 *

_______________________
.
Márcia Cristina Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Marília/SP
 
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.
.

 .

Leia também:

*

Anúncios

Read Full Post »

*

Evangélico, cristão, povo do livro, crente… são muitos os títulos, mas uma só deveria ser a identidade: o amor.

O amor é a marca do discípulo de Cristo, disse o Mestre. E o fruto do espírito é o amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.

Então, por que é tão difícil para nós, cristãos evangélicos, praticarmos o amor no nosso dia a dia? E mais: por que é tão difícil para nós, cristãos evangélicos, praticarmos o amor para com os nossos próprios irmãos na fé?

Tenho presenciado situações estarrecedoras acontecendo dentro dos nossos santuários. Não me refiro às pseudo igrejas com líderes mercenários que se enriquecem às custas dos sacrifícios dos seus seguidores. Esse tipo de comunidade está fora daquilo que considero Igreja. Refiro-me a grupos evangélicos sérios, comprometidos com a Palavra, que buscam de verdade obedecer a Deus.

Incluo-me nesse grupo e constato: temos recorrido exatamente no mesmo erro dos fariseus do tempo de Jesus: coado mosquitos e engolido camelos (Mateus 23:24). E com essa nossa “cegueira” espiritual, temos permitido que o mundanismo domine nossos corações e atitudes. Vou explicar.

Atitudes mundanas são aquelas que influenciam negativamente o nosso relacionamento com Deus, ofuscam o brilho do Espírito Santo em nós, são obras da carne, resultado do domínio do pecado em nossas vidas.

Mundanismo são posturas que pessoas do mundo, sem Cristo, praticam: mentira, falsidade, egoísmo, indiferença, maledicência, luxúria, prostituição, roubo, orgulho…

Pois bem, quando permitimos que as coisas do “mundo” entrassem nos nossos templos? Quando deixamos de amar.

Assim como os fariseus, criamos para nós mesmos um padrão estético de como um cristão deve ser, e rejeitamos qualquer pessoa que não se enquadre nesse padrão. Note que o padrão é nosso e não bíblico.

Sendo assim, acabamos classificando como mundana qualquer coisa que destoe do nosso gosto pessoal, e da nossa visão de santidade: penteados extravagantes, visual de tribos urbanos, um esmalte chamativo, ouvir música secular, fazer tatuagem, usar acessórios, ir ao cinema, a lista é interminável.

Indignados com tamanha “afronta” desprezamos e menosprezamos os cristãos que têm um estilo diferente do nosso simplesmente por serem diferentes.

Gastamos tempo falando e escrevendo contra eles, completamente cegos ao pecado está em nós: maledicência, fofoca, arrogância, julgamento alheio, desamor, egoísmo…

Gastamos tempo nos preocupando com esse suposto mundanismo invadindo os bons costumes cristãos, e ignoramos quando alguém da igreja comete um pecado de verdade. Não nos importamos se alguém conta uma mentirinha, deixa de ajudar um mendigo, ou vê pornografia na televisão.

Gastamos tempo nos indignando com a aparência dos nossos irmãos e nos mantemos indiferentes e passivos às suas necessidades.

Dessa forma, somos nós, e não “os outros”, somos nós, membros de uma geração intransigente e presa às tradições legalistas, que temos escandalizado o Evangelho e trazido o verdadeiro mundanismo para dentro da Igreja.

“Perguntaram-lhe os fariseus e os escribas: Por que os teus discípulos não andam conforme a tradição dos antigos? Respondeu-lhes Jesus: Bem profetizou Isaías a respeito de vocês. Vocês negligenciam os mandamentos de Deus e se apegam às tradições dos homens. Ouçam e entendam isso: Não há nada fora do homem que, nele entrando, possa torná-lo impuro. Ao contrário, o que sai do homem é que o torna impuro. Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem impuro.” Evangelho de Marcos, cap.7, vers. 5, 6, 8, 14, 15, 21, 22 e 23.

Que Deus tenha misericórdia de nós, fariseus e zelotes do nosso tempo! Que caiam as escamas da religiosidade dos nossos olhos e que possamos nos converter dos nossos caminhos, reaprendendo o sentido do amor e do fruto do Espírito agindo em nós.

Porque mundanismo não está no brinco, batom, roupa ou cabelo. Mundanismo está no coração.

*

______________________

*
Márcia Cristina Rezende
Bacharel em Educação Religiosa
Marília/SP
*
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.
*
*

LEIA TAMBÉM:

*
*

Read Full Post »

.

Ilhas Canárias, 18 de junho de 2010: “Morre, aos 87 anos de idade, o polêmico escritor português José Saramago”. Vencedor de vários prêmios, incluindo o Nobel de Literatura, Saramago era um ateu convicto e militante contra toda e qualquer religião. Segundo ele, “o ser humano inventou Deus e depois escravizou-se a ele”, e a Bíblia não passa de “um manual de maus costumes, um catálogo de crueldade.” Numa de suas mais conhecidas declarações sobre Deus, afirmou que não se pode crer em alguém que nunca apareceu para tomar um café.

E agora, José?

Saramago conhecia a Bíblia, fonte bibliográfica para os seus livros “Evangelho segundo Jesus Cristo” e “Caim”, mas infelizmente não conheceu o poder transformador que emana da Palavra de Deus.

É, José, Deus nunca apareceu para tomar um café com você. Isso porque Deus não se revela aos incrédulos, prepotentes ou arrogantes. Estes se bastam a si mesmos com sua medíocre sabedoria humana e pobre auto-suficiência. Deus aparece pra tomar café com aqueles que o buscam, que o amam, que o respeitam. “Bem aventurados os pobres de espírito, porque eles verão a Deus”. Sim, “o Senhor confia os seus segredos àqueles que o temem”, afirma o Salmo 25.

Para perceber a presença de Deus, ouvir a sua voz, sentir o seu toque, experimentar os seus milagres, basta ter fé. Deus deseja ser achado, Ele nos ama e anseia se reconciliar conosco por meio de seu Filho. Quantas vezes o doce Espírito de Deus tentou falar ao coração de Saramago, que permaneceu gélido e intransigente.

E agora, José?

Há exatos 8 meses antes de sua morte, perguntaram-lhe numa entrevista para o Estadão: “O senhor ainda sente necessidades de ajustar contas com Deus, mesmo acreditando que ele só existe na cabeça das pessoas?” Ao que Saramago respondeu: “Deus não existe fora da cabeça das pessoas que nele crêem. Pessoalmente, não tenho nenhuma conta a ajustar com uma entidade que durante a eternidade anterior ao aparecimento do universo nada tinha feito (pelo menos não consta) e que depois decidiu sumir-se não se sabe para onde. O cérebro humano é um grande criador de absurdos. E Deus é o maior deles.”

Que pena, José! A essa altura você já deve ter descoberto que Deus não é uma invenção do cérebro humano, e que não há mais tempo para arrependimentos. Não conseguiu tomar café com Deus quando teve oportunidade, e agora nada mais há a ser feito.

Deus dá a todos a oportunidade de conhecer sua graça e misericórdia. Entretanto, seu amor nos deixa livres para escolher nosso próprio caminho. Saramago escolheu o dele. E você? Com quem você vai escolher tomar um café?

.

“Busquem o SENHOR enquanto é possível achá-lo; clamem por ELE enquanto está perto.” Isaías 55:6

.

______________________

.

Márcia Cristina Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Marília/SP
 
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.
.

.

Leia também:

.

.

Read Full Post »

Namorar é uma delícia!!!

Este relacionamento pré-casamento, entre duas pessoas apaixonadas pode ser uma das fases mais ricas e ternas da vida de um ser humano. Basta ser inteligente e saber aproveitar.

Que fique claro que estou falando de namoro pra valer, o que muitos consideram “careta” e ultrapassado. Não se trata de apenas “ficar” ou “pegar”, hábitos descomprometidos e levianos. Falo de namoro de verdade, que começa com uma leve arritmia cardíaca, troca de olhares, um toque na mão meio que sem querer… aí evolui para uma conversa, uma saída, uma declaração de amor… Ao contrário do que muitos pensam, isso nunca sai de moda e sempre vai existir, graças a Deus! Porque? Porque namorar assim é uma delícia!

Namorar é uma delícia quando os pais consentem, aceitam o relacionamento e abençoam o casal. No namoro, duas famílias estão envolvidas e o desafio é construir relacionamentos saudáveis em todas as esferas. Programas divertidos e momentos de bate papo com os familiares aprofundam o sentimento e demonstram respeito mútuo.

Namorar é uma delícia quando há romantismo. E para haver romantismo não é preciso dinheiro, mas criatividade. Não é preciso presentes caros ou passeios dispendiosos. Quando se está apaixonado, o que importa é estar junto. Telefonemas inesperados, bilhetinhos apaixonados, o chocolate preferido embrulhado pra presente, uma serenata, apelidos carinhosos, gestos educados, versinhos “ridicularmente” melosos, um encontro inesperado, elogios inteligentes… a lista é interminável.

Namorar é uma delícia quando ambos compreendem os limites do relacionamento. No namoro, os beijos, abraços e carícias não ocupam a maior parte do tempo nem são prioridade. No namoro a gente brinca, conversa, passeia, ouve música, sonha, faz planos, toma sorvete, dá risada… Não se perde tempo procurando lugares escuros nem oportunidades para ficar a sós, pois a intimidade física é reservada para o casamento.

Namorar é uma delícia quando há respeito, diálogo civilizado, sabedoria para resolver conflitos, disposição para ouvir, desejo sincero de compreender e abrir mão de seus direitos de vez em quando, tolerância, delicadeza, honestidade, humildade para perdoar. Nem sempre tudo vai estar bem e os namorados estarão ambos bem humorados, aí é preciso jogo de cintura para driblar a situação e jogar fora as picuinhas.

Namorar é uma delícia quando quem namora é adulto. Sim, pois namoro não é coisa pra criança. No namoro não há espaço para ciúme excessivo, baixa alto estima, carência afetiva, egoísmo, pirraças, descontrole emocional e outras características de uma personalidade imatura. Pra namorar, tem que ser gente grande, satisfeito consigo mesmo e ver no outro uma pessoa para amar e não para satisfazer suas próprias necessidades.

Namorar é uma delícia quando há também um pouco de silêncio, um pouco de saudade. Quando há tempo para si mesmo. Há que se dar espaço para que a própria vida e a do outro continue pulsando: shopping com as amigas, futebol com os amigos de infância, a leitura de um bom livro, estudo, trabalho, família.

Namorar é uma delícia quando é feito a três. Quando Deus, que é o maior interessado em nosso bem estar é convidado a estar presente em todas as conversas, participar de todos os encontros e orientar em todas as escolhas, há segurança no relacionamento. Orar juntos, buscar a Deus nos momentos difíceis, agradecer a Ele cada pequena conquista, ser bênção na vida do outro através de seus dons espirituais, cantar músicas em adoração ao Senhor, adorá-lo a dois, são posturas que podem mudar toda uma vida.

Quando o namoro dá certo e ambos decidem que querem viver juntos pelo resto da vida, vem o casamento. E é aí que o namoro amadurece, muda de fase e… fica ainda mais delicioso!

A todos os casais apaixonados e enamorados, que o coração continue batendo forte a cada encontro e que um simples olhar do bem amado continue nos tirando o fôlego.

Feliz Dia dos Namorados!

 o

________________________

o

Márcia Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Marília/SP
 
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.

o

o

Leia também:

o

o

Read Full Post »

 

Encontrei este texto da Carol de Andrade e postei aqui no meu cantinho por concordar com ela. Infeliz da mulher (e também do homem) que acredita que vai encontrar a felicidade apenas no ser amado. Colocar a expectativa de realização pessoal em outra pessoa sempre termina em frustração e angústia. Passar o dia dos namorados sem um namorado não pode ser encarado como motivo de depressão. Quem depende do outro para satisfazer suas carências emocionais nunca ficará satisfeito.  Enquanto não aprendermos o real sentido da declaração de Cristo: “A minha graça te basta”, não conseguiremos nos relacionar de modo saudável com outra pessoa.

__________________________________________________________________________________________________

 

12 de Junho – Brasil – Dia dos Namorados

 

Dia “recheado” de muito romance. A mídia nos bombardeia com promoções, corações e muito vermelho pelas lojas, comerciais, e até mesmo nas nossas igrejas. Existe sempre aquele parente, “irmãzinha” da igreja, amiga distante, que vem com aquela famosa frase: você está namorando? Você pela centésima vez fala que está solteira, solta até um eu estou esperando em Deus! Depois do esperando em Deus vem a continuação: isso mesmo, temos que estar no centro da vontade de Deus.

Mas você está mesmo esperando ou está é mesmo encalhada?

Faremos um teste básico para você detectar se está na espera ou encalhada:

1. Quando você começa a ler sobre namoro, ver fotos, conversar com suas amigas que estão namorando fica pensando porque não eu?

2. Fica conversando com vários “irmãos” que conheceu pela internet e dizendo suas qualidades, até tem um perfil escondido num site de relacionamento?

3. Passa mais tempo do seu dia imaginando como seria ter um namorado do que outra coisa?

4. Acredita que só será feliz se estiver namorando?

5. Sente-se triste e por vezes deprimida por estar solteira?

6. Fica visitando igrejas e eventos para ver se encontra o tão esperado “varão”?

Se você respondeu sim para todas as questões acima você está encalhada! Sua vida está baseada em querer encontrar alguém para suprir sua solidão. O amor é doação! Amar é estar disposta a fazer o outro feliz e não esperar que encontre alguém para que a faça feliz. Ser feliz é conseqüência de um amor mútuo!

Leia 1 Coríntios 13 todo! Não fixe-se em só um versículo! Caso não tenha compreensão plena peça ao Senhor!

E se você disse não para todas as perguntas não fique tão animada! Você ainda tem mais para examinar dentro de si! Liste 10 coisas imprescindíveis para o homem da sua vida. Saiba que a primeira deve ser um homem compromissado com Cristo! Nada de julgo desigual!!! Procure sempre um homem que busque a Deus para encontrar o seu coração!

Após fazer essa lista veja se você se enquadra em todos os tópicos. Não podemos querer algo que não somos também! Lembra que você irá fazer alguém feliz? Como você quer um homem de caráter, firme no Senhor, compromissado com a obra, se você não tem buscado isso para si mesma? “… buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” MT 6:33

Namoro é pra casamento! Não é para ficar matando tempo.

Busque ao Senhor em primeiro lugar, busque fazer a vontade de Deus. Saia com seus amigos, visite igrejas, vá a congressos, mas tudo para honra e glória do Senhor. você encontrará a pessoa que você fará feliz nesses lugares ou similares. Pode até ser na internet. Mas estar na espera é esperar mesmo! Não é ficar na busca desenfreada, naquela vontade de ganhar presente no próximo dia dos namorados.

Estar solteira não é o fim, você precisa estar solteira para conhecer aquele que junto com você, serão felizes!

 

 Autora: Carol de Andrade

Fonte: Blog am3m

.

 _______________________

 .

Leia também:

.

 

Read Full Post »

Cansei dos Cansados!

Excelente artigo…

Assino embaixo, pois acredito que a Igreja de Cristo é preciosa demais para ser “desconstruída”. Lutemos por ela, com determinação e amor. Age com covardia quem a abandona a fim de apedrejá-la. Quem comigo não ajunta, espalha – disse o Mestre Jesus.

__________________________________________________________________________________________________

Cansei!

Não agüento mais ler textos do tipo “a igreja não presta”, “Deixei a igreja para ser cristão”, “a religião é uma porcaria”, “depois que abandonei a igreja é que entendi o que é ser cristão”, etc…

Não! Não falo daqueles que, ao criticarem a religiosidade (e não a religião) e o institucionalismo (e não a instituição), nos desafiam a, em comunidade, buscarmos um meio de “oxigenarmos” algo que parece estar empoeirado e sem vida.

Os que criticam, mas permanecem DENTRO, lutando para que o monstro perca a viscosidade e o lodo que assim lhe fizeram e que se volte ao “primeiro amor”, ou à missão integral… estes têm meu respeito e admiração. Faço coro com eles.

Mas cansei  daqueles que falam por falar… que entraram na moda (sim, porque agora é moda) de detonarem a instituição por nada! Gente que não tem compromisso com um grupo local e que, através deste, quer mudar o quadro triste em que nos encontramos não tem meu tempo, que já é escasso, para seus exercícios de “francos-atiradores”.

Cansei daqueles que vociferam contra a “instituição oficial” e criam “instituiçõezinhas” paralelas, com a mesma estrutura, mesmo “formato”, mesma liderança… até porque são formados pelo mesmo tipo de problema da “religião”: pessoas!

Cansei da “apologética” que nada mais é que um humor nonsense , desprovido de compromisso com a Palavra, sem propostas significativas para o que se fazer “no lugar de”. A estes, cabe a mesma crítica que faço ao liberalismo teológico: destroem sem ter nada para construir depois.” Isto é iconoclastia, e não crítica construtiva! Esses nunca souberam o que é a apologética e envergonham aqueles que nos séculos de cristianismo a fizeram às custas de muito estudo, cuidado e zelo.

Cansei!

Cansei porque mesmo achando a RELIGIOSIDADE um câncer no meio da igreja, entendo a religião como algo inerente ao ser humano, que já nasce com essa “falta”, com esse desejo de se “re-ligar” a algo ou alguma coisa. Bater na religião por causa da religiosidade é como desfazer-se da política, como ciência e realidade de um povo, por causa dos políticos e do mau uso que fazem daquilo que deveria ser bom.

Cansei porque mesmo considerando um absurdo e um abuso o que muitos pastores fazem em relação ao dinheiro, sugando literalmente o suado trabalho de seus “fiéis”, valendo-se de ameaças e maldições para aqueles que não lhes entregam os bens, ainda acredito na liberalidade e na validade ainda para hoje dos princípios de sustento e manutenção da obra através de dízimos e ofertas, como frutos de gratidão e consciência.

Cansei porque mesmo não fechando os olhos para os inúmeros pastores pilantras e suas igrejas alienadas, ainda acredito que haja gente séria à frente de ministérios sérios e que há, SIM, igrejas onde a instituição está a serviço do povo e não o contrário. Acredito que aqui e ali, ainda encontramos gente sincera, honesta e que quer realmente ser igreja, UNS COM OS OUTROS, porque entenderam que NÃO EXISTE IGREJA SEM COMUNIDADE!

Cansei porque mesmo sabendo das imperfeições da igreja local é justamente por isso que entendo a graça manifesta no meio da comunidade, onde há a troca de experiências, o “suportar-se uns aos outros”, onde o defeito do outro não é maior que o meu (antes me ensina e me alerta), e JUNTOS, experimentamos da graça que nos une, perdoa e nos transforma dia-a-dia, na nova criação de Deus, sinalizando seu Reino de justiça e amor, apesar de nossas imperfeições.

Cansei!

Quero fazer diferença onde eu estiver, no meio do povo, sem pensar que “me excluindo é que consigo realizar o que Cristo quer”. Isso não existe.

Repito: Só há cristianismo ou “evangelho do Cristo” como preferem os puristas, na vida em comunidade, porque mesmo Deus desconhece a solidão, e existe em comunidade: a trindade! Quando dizemos que podemos viver a vida do Cristo sozinhos, ofendemos a Deus e sua unidade na diversidade trinitariana.

Àqueles que criticam por criticar… que “cansaram”, mas estão “descansando em seu cansaço”, perdoem-me… cansei de vocês!

.

Autor: José Barbosa Junior

Fonte: Blog Ser e Pensar

 .

___________________

.

Leia também:

.

.

Read Full Post »

.

O homem pós moderno, de uma maneira geral, é marcado pelo individualismo, capitalismo, consumismo, imediatismo… Possui toda tecnologia a seu dispor, e por isso, têm se acomodado num “berço esplêndido”, como se o mundo girasse em torno dele, e pior, como se DEUS fosse seu serviçal. Como crianças mimadas, esperneamos diante das dificuldades, e ficamos esperando que Deus cumpra suas promessas. Complicamos ainda mais as coisas quando atribuímos a DEUS uma promessa que, na realidade, não foi ELE quem a fez, ou então nos esquecemos das condicionais que existem antes de cada promessa bíblica.

Além disso, há algumas responsabilidades que cabem apenas nós, e nada acontecerá até que tomemos a decisão de fazer a nossa parte! Não há como fugir: a minha parte cabe a mim.

O livro bíblico de Juízes (cap. 6) nos conta um fato interessante que aconteceu com o povo de Israel e um homem chamado Gideão. Está escrito:

Os israelitas, mais uma vez, fizeram o que o SENHOR reprova, e durante sete anos ELE os entregou nas mãos dos midianitas. Os midianitas dominaram Israel; por isso os israelitas fizeram para si esconderijos nas montanhas, nas cavernas, nas fortalezas. Sempre que os israelitas faziam as suas plantações, os midianitas, os amalequitas e outros povos da região a leste deles as invadiam. Então o ANJO DO SENHOR veio e sentou-se sob a grande árvore de Ofra.

Gideão, filho de Joás, estava malhando o trigo num tanque de prensar uvas, para escondê-lo dos midianitas. Então o ANJO DO SENHOR apareceu a Gideão e lhe disse: “O SENHOR está com você, poderoso guerreiro”.

“Ah, SENHOR”, Gideão respondeu, “se o SENHOR está conosco, por que aconteceu tudo isso: Onde estão todas as suas maravilhas que os nossos pais nos contam quando dizem: ‘Não foi o SENHOR que nos tirou do Egito?’ Mas agora o SENHOR nos abandonou e nos entregou nas mãos de Mídia”.

O SENHOR se voltou para ele e disse: “Com a força que você tem, vá libertar Israel das mãos de Mídia. Não sou EU quem o está enviando?”

“Ah, SENHOR”, respondeu Gideão, “como posso libertar Israel? Meu clã é o menos importante de Manasses, e eu sou o menor da minha família.”

“EU estarei com você”, respondeu o SENHOR, “e você derrotará todos os midianitas como se fossem um só homem”.

.

CABE A MIM, CONQUISTAR E CUIDAR DAS BÊNÇÃOS QUE O SENHOR ME DÁ

O povo de Gideão – Israel – recebeu de Deus a promessa de uma terra mas, além de conquistar a terra, coube a eles também cuidar continuamente do que haviam recebido. Muitos pedem algo ao Senhor, e acreditam que Deus tem a “obrigação” de abençoar, mesmo sem cumprir a sua parte da responsabilidade. Exemplos: Querem um bom emprego, mas agem como preguiçosos; querem um bom marido, mas são egoístas e rixosas; querem passar no concurso, mas não estudam… Deus faz milagres, não faz mágica!

.

CABE A MIM, SAIR DO MEU BERÇO ESPLÊNDIDO

Gideão estava desiludido com a situação que seu povo vinha enfrentando, e se limitou a ficar questionando o Senhor, querendo saber por que aquilo tudo estava acontecendo… Como ele, nós, a igreja de Cristo hoje, ficamos nos perguntando por que tanta violência, por que tanta enfermidade, por que tantos problemas… Atribuímos a Deus a responsabilidade por coisas, na verdade, nada mais são do que conseqüências das próprias atitudes do ser humano. Ficamos orando e jejuando, jejuando e orando, esperando que o Senhor faça aquilo que cabe a nós fazermos! É como não tomar banho e querer que Deus resolva o problema do mal cheiro… Ao tomarmos consciência de um problema ou uma necessidade, precisamos orar sim, mas precisamos também ir além disso! Deus fará a parte Dele, mas nós precisamos fazer a nossa!

.

CABE A MIM, CONTRIBUIR PARA O CUMPRIMENTO DA VONTADE DE DEUS

Deus não deu a Gideão a resposta que ele esperava. Antes, o Senhor o mandou IR e AGIR. Gideão era a resposta para o problema de Israel. Você e eu somos a resposta para a nossa cidade. Temos trabalhado muito, mas para nós mesmos! Jesus nos deu o privilégio de sermos “sal da terra”, mas o sal dentro do saleiro não adianta de muita coisa… Somos cooperadores de Deus, e Ele já nos capacitou com seu Espírito e espera que deixemos nosso lugar de conforto dentro dos nossos templos e façamos alguma diferença no mundo perdido. O sal facilmente se “infiltra” nos alimentos. E a igreja de Cristo também precisa se “infiltrar” em todos os setores da sociedade. Há uma necessidade urgente de profissionais que testemunhem do amor de Deus: não só pastores e missionários, mas também médicos, advogados, professores universitários, juízes, políticos, artistas, estilistas, escritores, jornalistas…

.

Gideão era um homem comum, mas Deus fez dele um poderoso guerreiro. É tempo de fazer o que sabemos que precisa ser feito, mesmo que haja medo, preguiça ou desânimo em nosso coração. Importa antes obedecer a Deus que aos nossos sentimentos.

Deus é fiel, é Ele sempre quem nos capacita, fortalece e orienta. Cabe a nós tomarmos uma atitude! Afinal, A MINHA PARTE CABE A MIM!

.

________________________

 ..

Márcia Cristina Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Marília/SP
 
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.

 

 .

 .

LEIA TAMBÉM:

Read Full Post »