Feeds:
Posts
Comentários

Archive for fevereiro \27\UTC 2010

.

A simplicidade do Evangelho consiste em seguir o que a Bíblia diz. E na Bíblia está escrito: “Tudo me é lícito” (1 Coríntios 10.23). Muitos se atém a apenas esta parte do texto bíblico e logo concluem: “se tudo me é lícito, posso fazer absolutamente tudo o que quiser… posso fumar crack, possuir várias mulheres, assistir a filmes pornôs… nada é proibido. A graça de Cristo me libertou de todo pecado, e nada mais que eu fizer estará sujeito a alguma condenação”. Estaria correto este raciocínio?

De fato, se isolarmos convenientemente esta parte do texto, esta parece ser a conclusão mais óbvia. Entretanto, este é um dos mais grotescos erros no método de interpretação das Escrituras. Texto fora do contexto é pretexto, já diziam os antigos.

Vejamos o que acontece se fizermos o mesmo com outros textos:

Filipenses 4:13 – “Posso todas as coisas…” Se eu posso todas as coisas, então posso manter uma relação extraconjugal semcomprometer o equilíbrio familiar; posso me embriagar e não envergonhar o Evangelho; posso empurrar um trem por quilômetros ladeira acima; posso ser cruel ou vulgar ao conversar com alguém; posso TODAS as coisas!

João 6:27 – “Não trabalhem pela comida…” Então, trabalhar secularmente é pecado. Deus é contra a idéia de eu ter uma profissão. Devo abandonar totalmente a idéia de ter um emprego, e simplesmente “viver pela fé”. Todos os meus dias irei me dedicar apenas a “atividades espirituais” e não me preocupar com as necessidades básicas da minha família.

.

 .

Assim nascem as heresias e assim surgem os mais terríveis absurdos supostamente bíblicos.

Quando se retira um texto do seu contexto e lhe dá um significado isolado, é muito fácil tropeçar feio na interpretação. Por exemplo: na própria Bíblia está escrito: “Não há Deus”, mas bem longe de ser uma defesa ao ateísmo, esta afirmação está dentro de um significado mais amplo: “Diz o tolo em seu coração: ‘Não há Deus’. Corromperam-se e cometeram atos detestáveis; não há ninguém que faça o bem.”  (Salmo 14:1).

O que temos visto é que, na verdade, muitos extraem partes fragmentadas das Escrituras tentando justificar suas próprias escolhas. Elton John  disse que Jesus era gay para tentar justificar seu próprio homossexualimo… Fulano afirma que a Bíblia não condena a bebida para tentar justificar seu problema com o alcoolismo… Beltrano diz que na Bíblia sexo e casamento são a mesma coisa para tentar justificar sua própria conduta extraconjugal… E assim por diante. Não é preciso ser um expert em psicologia comportamental para perceber esta estratégia quase infantil diante da culpa.

 .

Voltando ao nosso texto inicial, sim, todas as coisas me são lícitas (permitidas). Mas qual a abrangência desse “todas as coisas”? Inclui de fato TODAS AS COISAS, inclusive matar, cobiçar e mentir? Com certeza não, pois tais práticas (e muitas outras) a própria Palavra condena (Marcos 10:19, Mateus 5:28, Colossenses 3:9). Então do que se trata?

Este texto (1 Co 10:14-33), na verdade, está falando de comida: explica que podemos comer tranquilamente algo que foi consagrado de antemão a ídolos e demônios, porque os ídolos não são nada e, maior é o que está em nós do que aquele que está no mundo. Entretanto, caso eu seja advertido dessa consagração e o fato de eu comer este alimento for prejudicar a consciência do outro, é melhor me abster de comer. Simples assim :)!  Confira em 1 Coríntios 10:25-33.

 .

É uma alternativa bem cômoda distorcermos o sentido de um texto bíblico na tentativa de justificar uma ou outra prática. Mas tal estratégia, sem dúvida, é também ilusória. Deus não se deixa escarnecer e a sua Palavra não voltará vazia, mas atingirá o propósito para o qual foi enviada.

.

.

Sim, eu “posso todas as coisas naquele que me fortalece…” Aqui o apóstolo  Paulo declara: “aprendi a adaptar-me a toda e qualquer circunstância. Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, sejam bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece.” (Filipenses 4:11-13).

Sim, não devo trabalhar APENAS pela comida que perece e se estraga, pois minha vida vai além da morte. Pouco depois do milagre da multiplicação dos pães, Jesus orienta: “A verdade é que vocês estão me procurando, não porque viram os sinais miraculosos, mas porque comeram os pães e ficaram satisfeitos. Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem lhes dará. Deus, o Pai, nele colocou o seu selo de aprovação.” (João 6:26-27)

Sim, todas as coisas me são lícitas, desde que estejam dentro da liberdade que há em Cristo Jesus. E esta liberdade não é sem limites, mas nos chama para obedecermos a uma série de mandamentos restritivos:

    • Não nos prostituamos” 1 Co 10:8
    • “Não saia da boca de vocês nenhuma palavra torpe” Efésios 4:29
    • “Não julguem” Mateus 7:1
    • “Não pratiquem imoralidade” 1 Coríntios 10:8
    • “Não sejam sábios aos seus próprios olhos” Romanos 12:16
    • “Não sirvam a Deus e ao dinheiro” Mateus 6:24

.

Cristo nos liberta para nos fazer seus servos. Contraditório? Parece; mas não é. Trata-se apenas de mais um dos aparentes paradoxos da vida cristã: posso todas as coisas, mas não posso todas as coisas; tudo me é lícito, mas nem tudo me é lícito; a salvação é pela graça, mas nos custa nada menos que tudo.

O cristianismo não é uma religião repleta de normas e regras, é uma vida de relacionamento com o Criador. No entanto, este relacionamento de amor traz consigo também responsabilidade. Não se trata de viver a vida dissolutamente, sem compromisso, apenas “desfrutando” da maravilhosa Graça.

A liberdade que há em Cristo nos permite dizer não ao pecado, pois não somos mais escravos do mal. Mas, como servos de Cristo, já totalmente libertos, ainda precisamos a cada dia crucificar a própria carne e negarmos a nós mesmos, mantendo-nos longe do que nos dá prazer à carne mas nos corrompe o espírito.

Sim, tudo nos é lícito… dentro da maravilhosa liberdade que o próprio Cristo conquistou para nós na cruz.

.

_______________________

.

Márcia Cristina Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Marília/SP
 
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.
.

.

LEIA TAMBÉM:

***

Anúncios

Read Full Post »

 

Cada dia cresce o número de informações que chegam até nós. Os veículos se multiplicam e são aperfeiçoados a cada momento: Correio, Rádio, Revista, Jornal, TV, Telefone, SMS, Email, Twitter, Mensenger… a lista é interminável!

Com um só click na frente de um computador é possível se ter acesso a centenas e mais centenas de notícias e informações. Mas, como já é sabido: informação não é conhecimento.

No mundo gospel as possibilidades também são vastas: Sites, Blogs, DVDs, Programas Televisivos… púlpitos de todos os gêneros para todos os gostos. Caio’s, André’s, Feliciano’s, Silas’s, Estevam’s, Waldomiro’s… pregadores de todas as linhas teológicas para todos os tipos de “fiéis”.

No meio dessa micelânia “evangélica”, como podemos saber quem está com a razão? Existem verdades absolutas? Qual o referencial desta Verdade?

A resposta é uma só: um livro chamado Bíblia. Ela é a luz do nosso caminho.

Enquanto seguirmos homens, estaremos andando no escuro. Quem já teve a experiência de andar num lugar desconhecido e sem iluminação sabe o quanto é difícil. Nestas condições ficamos suscetíveis o tempo todo a cair num buraco, pisar em sujeira, dar de cara com uma árvore, ou ser mordido por algum animal. Uma fonte de luz no caminho é garantia de que podemos enxergar onde estamos colocando os pés, e assim evitarmos os perigos.

Em nossa jornada espiritual, mais do que templos e púlpitos precisamos de Bíblia. Ela é a revelação do Criador para toda a humanidade. “Lâmpada para os meus pés é a tua Palavra, e luz para o meu caminho” Salmo 119:105.

Pastores, bispos e apóstolos são feitos de carne e osso. E todos igualmente estão sujeitos a cometer erros, falar bobagens, fazer interpretações equivocadas, e até usar seu poder para manipular, controlar, distorcer e tirar proveito da situação. Nestes e em outros casos, o excesso de informação só traz mais desinformação!

Gosto de saber quais as “novas teologias” do momento, as frases de efeito da moda e os discursos dos apologetas midiáticos, mas o meu referencial precisa continuar sendo a Bíblia. Homens, idéias e teologias passam, precisam ser constantemente atualizados. Mas a mensagem bíblica é sempre apropriada para qualquer tempo, pois Deus não muda, e a natureza humana não se altera.

Sejamos sábios. Ao invés de informação, busque conhecimento. Ao invés de opiniões, busque a Palavra da Verdade. Ao invés de seres humanos, busque a revelação divina. Simples assim 🙂 !

Porque a simplicidade do Evangelho nos conduz à essência do Cristianismo: amar a Deus e ao próximo.

*

_________________

Márcia Cristina Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Marília/SP
 
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.

*

*

LEIA TAMBÉM:

*

Read Full Post »

A Bíblia é a Palavra de Deus revelada a nós. Conhecê-la é ESSENCIAL para servi-lo com integridade.

Entretanto, muitos têm perdido a oportunidade de usufruir das bênçãos do estudo da Bíblia simplesmente porque não sabem como fazê-lo. Veja abaixo algumas sugestões simples e bem práticas para facilitar a leitura sistemática das Escrituras.

 

1. PREPARE-SE

A Bíblia não é um livro comum. São textos escritos não por vontade humana, mas pela inspiração do Espírito Santo. Por isso não podemos lê-la de qualquer maneira.

Antes de ler, é importante preparar a mente para receber a Palavra. Conscientize-se de que irá adentrar em terreno sagrado. Ore pedindo ao autor da nossa fé, que abra seu entendimento para compreender sua mensagem e prepare seu coração para receber a revelação da Palavra de Deus.

 

2. ESCOLHA UM TEXTO

Não caia na cilada de abrir a Bíblia aleatoriamente e ler o primeiro parágrafo que aparecer. Deus não é Deus de confusão, Ele age de maneira organizada; e nós somos dotados de inteligência para apreender das Escrituras os ensinos do Pai.

Procure fazer um planejamento prévio e, importante, siga este planejamento até o fim. Determine, por exemplo: vou ler os quatro evangelhos, vou estudar as cartas de Paulo, o livro de Tiago, Salmos, a vida de Abraão, e assim por diante. Ao invés de trechos isolados, a leitura de um livro inteiro, do começo ao fim, é muito mais produtivo.

 

3. EXAMINE O CONTEXTO

Antes de iniciar a leitura de um livro bíblico ou qualquer texto das Escrituras, é importante que se descubra seu contexto geral: trata-se de uma história ou uma parábola? É uma carta ou um discurso? Quem escreveu? Qual a idéia geral do texto? Em que época e lugar foi escrita? A resposta a estas perguntas é essencial para uma correta interpretação da Bíblia.

Tais informações adicionais são facilmente encontradas em Bíblias de estudo e comentários bíblicos. Se você não tem acesso a esses recursos, uma leitura do primeiro e último parágrafos, dos subtítulos, e do texto em geral poderão dar uma boa idéia do que estamos falando.

 

4. LEIA E RELEIA, RELEIA E LEIA

Há um provérbio do qual gosto muito que diz: “Leia a Bíblia quando sentir vontade; e quando não sentir, leia até a vontade chegar.” A única maneira de estudar a Bíblia é lendo-a. E isso é fruto de disciplina e não da própria vontade.

Leia o mesmo texto várias vezes, sempre que necessário. Compare versões diferentes sempre que possível. Procure entender o sentido de cada palavra e frase (tenha um dicionário sempre à mão).

 

5. TIRE LIÇÕES

“A Bíblia não foi escrita para aumentar nosso conhecimento, mas para mudar a nossa vida”. Enquanto faz a leitura e no seu término pense: o que posso aprender sobre Deus neste texto? O que este capítulo fala sobre a natureza do ser humano? Este trecho contém promessas? Mandamentos? Doutrinas? Como posso aplicar estes princípios e valores na minha vida hoje?

 

6. FAÇA ANOTAÇÕES

Escrever suas dúvidas e conclusões é um ótimo exercício para auxiliar na compreensão e memorização da Palavra de Deus.

Tenha um caderno especial para isso ou faça-o na própria Bíblia. Enquanto você procura palavras para expressar seus sentimentos, a Palavra vai sendo digerida em sua mente e coração. Este é um excelente combustível para que você crie o hábito de “meditar de dia e de noite” nas Escrituras.

 

7. LEMBRE-SE

* A Bíblia é um livro transcendental. Sua aplicação não se limita ao nosso cotidiano, mas se estende à vida eterna. Nem sempre encontraremos uma resposta direta e específica a alguma inquietação do nosso dia a dia (por exemplo: devo me casar ou comprar uma bicicleta?). Brincadeiras à parte, muitas vezes a leitura da Bíblia vêm “apenas” alimentar o nosso espírito e nos dar condições de fazer as melhores escolhas, bem como nos preparar para a pátria celestial.

* Permaneça com o coração aberto. Muitas vezes, estamos com um determinado pensamento já estabelecido, e lemos a Bíblia apenas buscando textos que justifiquem tal pensamento. Forçamos o texto para satisfazer nossa própria vontade. Sejamos imparciais e honestos! Precisamos estar dispostos a ouvirmos da Palavra, inclusive aquilo que não nos agrada.

* Saiba que você nunca conseguirá compreender tudo. Uma coisa é certa: quanto mais eu me aprofundo no estudo da Palavra, mais dúvidas me aparecem. Isso porque a Bíblia não foi idealizada por homens, mas por uma mente que ultrapassa todo o nosso entendimento. Deuteronômio 29:29 diz: “As coisas encobertas pertencem a Deus; e as reveladas pertencem a nós e a nossos filhos.” É isso! Um dia, com o corpo glorificado teremos entendimento de todas as coisas, mas não agora. Continue lendo, pratique o que já entendeu e aceite, pela fé, o que você ainda não compreende.

Você deseja ter uma vida cristã frutífera e vitoriosa? Leia a Bíblia e permita que ela molde a sua vida! Simples assim 🙂 .  Afinal, ser igreja é descobrir a simplicidade do Evangelho e vivenciar a simplicidade do Cristianismo: amar a Deus e ao próximo.

.

_____________________________________

Márcia Cristina Rezende
Bacharel em Teologia e Educação Religiosa
Marília/SP
 
Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos
mediante citação da fonte e autoria.

.

.

Leia também:

.

Read Full Post »

Igreja e Carnaval – eis a questão: falar de Deus na Avenida ou falar com Deus no Retiro?

Aqui no Brasil, além de uma manifestação cultural, o Carnaval é uma grande festa que envolve interesses políticos, dinheiro, poder e muita, muita liberdade de expressão. Raríssimas exceções, essa “liberdade de expressão” envolve álcool, drogas, azaração, nudez e sexo livre. A alegria cantada nos clubes e avenidas é produzida artificialmente e o samba na ponta dos pés dos foliões é passageira ilusão.

Diante de um quadro tão patético, as igrejas evangélicas têm diferentes pontos de vista sobre o quê fazer.

A maioria vê o carnaval como um evento diabólico, totalmente contrário aos princípios bíblicos, do qual convém manter distância para não se contaminar. Dessa forma, aproveitam o feriado prolongado e organizam retiros espirituais em locais afastados para aperfeiçoar seu relacionamento com Deus.

Na contramão deste pensamento, para algumas igrejas o carnaval é uma oportunidade para evangelizar e conquistar terreno para Cristo no mundo espiritual. Dessa forma, organizam sua bateria, preparam o samba enredo, uniforme, passos coreografados, e desfilam com as demais Escolas de Samba sob a bandeira do Evangelho.

Longe dos retiros, mas fora dos desfiles, a cada ano cresce o número de igrejas que se organizam para falar do amor de Jesus aos foliões das mais diversas maneiras: barracas em locais estratégicos, aconselhamento, distribuição de literatura, evangelismo pessoal, “baile” gospel, e muito mais.

Em meio a posturas tão diferentes em relação a um só evento, quem está com a razão?

A variedade de opiniões e atitudes neste caso acontece porque não há nenhuma orientação específica na Bíblia sobre o carnaval, mesmo porque nos tempos bíblicos esta comemoração nem existia. Entretanto, é fato que a Palavra de Deus é atemporal e tem resposta para todas as questões da humanidade de todos os tempos e culturas.

No que diz respeito a carnaval e outras festas populares, a Bíblia diz:

  • “Tenham cuidado, para não sobrecarregar o coração de vocês de libertinagem, bebedeira e ansiedades da vida…” Lc 21:34
  • “Entre vocês não deve haver sequer menção de imoralidade sexual como também de nenhuma espécie de impureza e de cobiça; pois essas coisas não são próprias para os santos. Não haja obscenidades, nem conversas tolas, nem gracejos imorais, que são inconvenientes, mas, ao invés disto, ação de graças. Porque vocês podem estar certos disto: nenhum imoral, ou impuro, ou ganancioso, que é idólatra, tem herança no Reino de Cristo e de Deus.” Ef 5:3-5
  • “Ai daquele que dá de beber ao seu companheiro! Ai de ti, que adiciona à bebida o teu furor, e o embebedas para ver a sua nudez!” Hc 2:15
  • “..que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?” 2 Co 6:14-15
  •  “Não participem das obras infrutíferas das trevas; antes, exponham-nas à luz.” Ef 5:11
  • “Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o seu próprio corpo.” 1 Co 6:20
  • “…vocês não devem associar-se com pessoas imorais. Com isso não me refiro aos imorais deste mundo, nem aos avarentos, aos ladrões ou aos idólatras. Se assim fosse, vocês precisariam sair deste mundo. Mas agora estou lhes escrevendo que não devem associar-se com qualquer que, dizendo-se irmão, seja imoral, avarento, idólatra, caluniador, alcoólatra ou ladrão.” 1 Co 5:9-11
  • “…Jesus lhes disse: ‘Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Eu não vim para chamar justos, mas pecadores.” Mc 2:17
  • “Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda paciência e doutrina.” 2 Tm 4:2
  • “Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade.” 1 Tm 2:3-4

 

CONCLUSÃO

Deus deseja que o busquemos, que não nos contaminemos com o mundo e que nos posicionemos no mundo a fim de salvar os perdidos. Portanto, NOS TEMPLOS, NAS AVENIDAS OU NOS MONTES… mais importante que o “onde” é que o coração e a conduta dos filhos de Deus estejam em sintonia com a vontade do Pai. Simples assim 🙂 !

A graça divina se manifesta de várias formas, por isso, a tentativa de padronização da igreja de Cristo na terra, além de burra, sempre será vã. Sejamos simples. Vamos nos afastar do mundo para um tempo de crescimento espiritual? Amém! Vamos para a avenida, não pular com e como os perdidos, mas para ser sal e luz? Amém!

Que cada comunidade cristã busque discernimento espiritual e receba de Deus a direção para agir em cada situação. Porque a simplicidade do Evangelho nos conduz à essência do Cristianismo: amar a Deus e ao próximo.

*

***

*

 

Márcia Rezende

Bacharel em Teologia e Educação Religiosa

Marília/SP

***

Permitida reprodução e distribuição sem fins lucrativos

mediante citação da fonte e autoria.

***

*

LEIA TAMBÉM:

__________________________

Read Full Post »